Suíça 0 x 1 Chile

junho 22, 2010

O segundo time mais ofensivo da Copa vingou o primeiro. O Chile conseguiu fazer um gol na Suíça em uma Copa do Mundo. O último que conseguiu foi Txiki Begiristain, da Espanha e do Barcelona, aos 41 do 2º tempo das oitavas-de-final disputadas no dia 2 de julho de 1994.

A Suíça não tomava um gol em Copas do Mundo desde 1994.

Tá que eles não se classificaram para as Copas de 98 e 2002, mas ainda assim, contando os minutos restantes daquela partida contra a Espanha em 94, os 4 jogos na Copa de 2006, a estréia contra a Espanha em 2010 e os primeiros 76 minutos do jogo contra o Chile, a Suíça contabilizou 559 minutos sem sofrer gols, batendo por 9 minutos o recorde da Itália de 1990. Vendo a Suíça jogar, percebe-se que este feito, para eles, equivale à vencer a Copa do Mundo, pois o objetivo do futebol, segundo os suíços, é não tomar gols. Só. Agora que eles atingiram seu objetivo, poderiam fazer o favor de irem embora pra casa e deixar Chile e Espanha continuarem seu show pela África do Sul. Show de gols perdidos também, é verdade. Mas ainda assim, o melhor futebol da Copa, ao lado de Messi e da Alemanha da estréia. A Suíça deveria ser banida dessa e de todas as Copas do Mundo pela prática de anti-jogo. Antes que ganhe discípulos modernos como parece ser o caso do Japão.

catenaccio, ferrolho, ou verrou

Discípulos modernos, porque há os antigos, dentre os quais, um que aprendeu tão bem a lição que já venceu 4 mundiais. Qual não foi minha surpresa quando descobri que catenaccio, que em português é algo assim como ferrolho, ou fechadura, é só a versão italiana dos anos 60 para uma tática desenvolvida na seleção da Suíça nos anos 30, o Verrou. Quem inventou a retranca e a aplicou à Suíça, foi um técnico austríaco. Quem desenvolveu a retranca italiana foi um técnico franco-argentino. No país dos outros é refresco.

Mas então, quem diria, quem ensinou a Itália a jogar bola foi a Suíça.

Que as duas nos deixem em paz cedo. A Suíça na 1ª fase, a Itália, no máximo nas oitavas contra a Holanda.

El Loco Bielsa fez o normal: colocou o Chile pra atacar. Por que começou com Valdívia no banco? Porque é louco, ora. Logo no intervalo desfez o erro, tendo que tirar Suazo, que poderia ser artilheiro dessa Copa se não estivesse voltando de lesão, totalmente fora de ritmo, nem sombra do goleador que é. E trocou Vidal por Mark González. Volante por meia. Era pra bater até furar. Se dependesse de Paredes a Suíça teria um recorde maior ainda. Sua capacidade de errar gols era assombrosa. Para a sorte do Chile e do bom futebol, Derdiyok conseguiu perder, nos últimos minutos, o gol mais feito da Copa. Mas foi de Paredes o cruzamento para o gol de González. Vamos crer que ele não é ruim, foi só um dia de más finalizações. O Chile é o 4º e último time a vencer os dois primeiros jogos, mas o saldo de gols fará falta aos chilenos, a menos que Honduras faça a boa ação de arrancar um empate contra a Suíça. 0 a 0, é claro, pra já ir somando minutos para o próximo recorde da Suíça em 2014.

Credo. Maradona me livre.

Anúncios